No Banner to display

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Goinfra atualiza tabelas de preços de obras civis e rodoviárias

A Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes divulgou, dia 1º de julho, a atualização de suas tabelas de preços de obras rodoviárias e civis, que são referências na elaboração de orçamentos públicos praticados em todo o Estado Goiás.

A preocupação com a atualização dos dados faz parte do esforço de manter relação correta, responsável e transparente com empresas, consumidores, governos e cidadãos e para não paralisar as obras (Foto: Goinfra)

A Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra) divulgou, dia 1º de julho, a atualização de suas tabelas de preços de obras rodoviárias e civis, que são referências na elaboração de orçamentos públicos praticados em todo o Estado de Goiás. Essa revisão dos valores de serviços e produtos é um instrumento que possibilita a continuidade das intervenções promovidas pelo Governo de Goiás e, também, influencia os cálculos dos custos estimados por fornecedores do mercado da construção, prefeituras e secretarias municipais e estaduais.

O presidente Pedro Sales lembrou que os catálogos anteriores já estavam desatualizados. “Desde novembro, para obras civis, e de março de 2018 para as rodoviárias”, disse. A defasagem, pontua, foi agravada pelas crises financeira e sanitária causadas pela pandemia de Covid-19.

Para Riumar dos Santos, diretor de Planejamento da agência, a preocupação com a atualização desses dados faz parte do esforço institucional de manter relação correta, responsável e transparente com empresas, consumidores, governos e cidadãos e, principalmente, de jamais paralisar as obras do Estado. “Não é justo que, por qualquer razão, a população não receba o benefício a que tem direito. Na Goinfra, estamos determinados a fazer o possível e o alcançável para oferecer o nosso melhor trabalho”, pontua.

Inflação

Riumar lembra que, junto ao coronavírus, veio o desequilíbrio dos preços de itens essenciais, como aço, cimento, asfalto e combustível, por exemplo. E mostra dados do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), que indicam aumento de 35% no preço do aço que sai das usinas para os distribuidores, nos primeiros quatro meses deste ano.

“No nosso caso, coletamos o material direto nas distribuidoras e o período considerado foi de oito meses. Então, arcamos com um acréscimo médio de 114%. Ou seja, o produto subiu de R$ 5,35, em média, para R$ 11,43”, compara. “Nesse cenário, a conta é simples: o alto custo dos produtos reduz o consumo e, com isso, prejudica os trabalhos já em andamento. E é justamente isso o que a nossa vigilância cuidadosa e constante evita”.

As tabelas revisadas podem ser acessadas em Custo Referencial de Serviços.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Publicações em Alta

Após nova onda de Covid-19, Prefeitura de Caldas Novas endurece medidas de contágio da doença

Meio Ambiente leva audiências de autocomposição para Itumbiara

Prefeitura e Câmara se unem em Caldas Novas e consolidam parceria para construção de Hospital Evangélico no município

Goiás Turismo abre licitação para investimentos no Caminho de Cora