No Banner to display

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Em parceria com Governo de Goiás, projeto leva investimento de R$ 30 milhões para piscicultura e gera 185 novos empregos, em Minaçu, no Norte goiano

Iniciativa prevê produção de três milhões de toneladas de tilápia, por ano, e deve promover nova vocação goiana para mercado internacional.

Parceria do Governo de Goiás com a iniciativa privada vai levar investimento de R$ 30 milhões para implementar criadouro de peixe de larga escala e frigorífico, em Minaçu, no Norte goiano. A expectativa é que a produção chegue até três milhões de toneladas de tilápia, por ano, até 2024, e com geração de 185 novos empregos, sendo 155 diretos e 30 indiretos.

As atividades de piscicultura começam ainda neste mês de outubro e devem ter a primeira comercialização no primeiro semestre de 2022. O processo de implementação terá duas etapas e a empresa deve estar em plena produção até 2024.

A primeira etapa, já iniciada, prevê investimento de R$ 5 milhões com produção inicial de mil toneladas, por ano, e criação de 35 empregos diretos. Já a segunda etapa, que deve ser concluída em três anos, conta com mais R$ 25 milhões para instalação do frigorífico e tem previsão de triplicar a produção inicial, além de gerar outros 120 empregos diretos e 30 indiretos. “Goiás recebe os empresários de braços abertos. Temos a melhor logística do país e damos segurança a todos que aqui investem”, reforça o governador Ronaldo Caiado.

A empresa que se instala no Norte goiano é proveniente de Rondônia. Ela decidiu fechar suas instalações na região Norte do Brasil e criar uma empresa 100% goiana, aproveitando toda a expertise adquirida durante os 12 anos no mercado e os incentivos de Goiás.

Segundo o secretário de Estado de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), José Vitti, as empresas querem vir para Goiás com seus inúmeros atrativos, como logística e infraestrutura adequadas, localização privilegiada, além de poder contar com um governo que dá todas as condições para quem deseja empreender em território goiano.

Dentre as vantagens de implementar a atividade em território goiano, os sócios proprietários da Super Fish, Cristiane de Oliveira e Roberto de Paula destacam a vocação do município e potencialidade para instalação de criadouros; facilidade com licenças que “em outros Estados demoram anos para se concretizar”; mão de obra facilitada; infraestrutura de escoamento; além dos benefícios fiscais do Governo do Estado que, para os proprietários, são as principais.

Minaçu também faz parte dos 64 municípios com maior carência e necessidade de desenvolvimento econômico que são preferenciais para a aprovação de investimentos e destinação de incentivos fiscais, como o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) e o ProGoiás, que também devem atender o projeto.

Exportação
A ampla previsão de produção do pescado abre possibilidades para a exportação. Os produtos goianos com mais vendas internacionais são as carnes, correspondendo a 30,12% do exportado pelo Estado, em setembro, com destaque para as carnes bovinas, de aves e suínas. O projeto deve ampliar a venda internacional de peixe e mostrar mais uma vocação do mercado internacional goiano.

Preocupação socioambiental
A nova empresa goiana também tem preocupação com o desenvolvimento social e ambiental. Segundo a sócia-proprietária, além da criação de 185 empregos e renda, a empresa deve valorizar a mão de obra feminina e conta com estruturas que cumprem todas as normas para evitar o impacto ambiental.

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Serviços (SIC) – Governo de Goiás

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Publicações em Alta

Goiana disputa vaga para as Olimpíadas Internacionais de Química

Jogos Abertos classificam mais equipes para fase regional

Saúde faz acolhimento de novos profissionais do Programa Mais Médicos

Prefeitura de Caldas Novas não realizará eventos de fim de ano