No Banner to display

domingo, 25 de julho de 2021

domingo, 25 de julho de 2021

Conheça ciclos e tipos de violência doméstica, e como denunciá-los

Seds segue com ações de fortalecimento da campanha “Todos Por Elas – Pacto Goiano pelo Fim da Violência contra a Mulher”, agora com o “Dia Laranja”.

A Seds divulgou, nesta sexta-feira (25/6), material de combate à violência contra a mulher. Ação integra campanha "Dia Laranja", lançada pelo Governo de Goiás (Arte: Seds)

Seds segue com ações de fortalecimento da campanha “Todos Por Elas – Pacto Goiano pelo Fim da Violência contra a Mulher”, agora com o “Dia Laranja”.

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds), segue com as ações de fortalecimento da campanha “Todos Por Elas – Pacto Goiano pelo Fim da Violência contra a Mulher”, agora com o “Dia Laranja”. Assim, durante esta sexta-feira (25/06), a Seds divulga material sobre o assunto. Neste mês de junho, o tema tratado são os ciclos e tipos de violência doméstica.

Em Goiás, o Governo Estadual oferece ajuda a mulheres vítimas de violência por meio de alguns canais. É possível pedir ajuda na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) ou em delegacias comuns. Também há o aplicativo Goiás Seguro, com a Patrulha Maria da Penha. É possível ainda entrar em contado com a Central de Atendimento à Mulher, pelo número 180. Para atendimento psicológico e orientação jurídica, a mulher deve entrar em contato com o Centro de Referência Estadual da Igualdade pelo número (62) 98306-0191.

Segundo dados do Instituto Maria da Penha, fundado em 2009, após a promulgação da Lei Maria da Penha, em 2006, há três principais fases do ciclo da violência doméstica. O Instituto se baseia em um estudo da psicóloga norte-americana Lenore Walker, que identificou que as agressões cometidas em um contexto conjugal ocorrem dentro de um ciclo que é constantemente repetido, mesmo tendo diversas especificidades.

A fase 1 é conhecida como “Aumento de Tensão”. Nesse primeiro momento, o agressor se mostra uma pessoa tensa e irritada, normalmente por razões que são insignificantes, chegando a ter acessos de raiva. Há também humilhação da vítima, ameaças e destruição de objetos da casa. Em geral, a vítima nega que isso está acontecendo com ela. Porém, essa tensão pode durar dias ou anos, mas como aumenta cada vez mais, é provável que a situação levará à fase 2.

A segunda fase é a da agressão, quando o agressor chega ao limite do ato violento. Aqui, toda a tensão da fase 1 é materializada em violência verbal, física, psicológica, moral ou patrimonial. Normalmente, mesmo a mulher tendo consciência de que o agressor está fora de controle, ela se paralisa e não consegue ter reação.

Este é um momento em que a mulher pode buscar por ajuda, pedir separação ou até se esconder em casa de amigos ou parentes. Geralmente ela se afasta do agressor por um tempo.

A fase 3 é conhecida como “Fase Lua de Mel”. Ela acontece quando o agressor diz se arrepender, e, assim, se torna amável para conseguir uma reconciliação. Normalmente a mulher se sente pressionada a manter seu relacionamento, principalmente se o casal tem filhos. Durante a fase 3, há um momento de calmaria, onde há um misto de sentimentos. Por fim, a tensão volta, e o ciclo retorna à fase 1.

Tipos de violência doméstica

Na Lei Maria da Penha, estão previstos cinco tipos de violência doméstica e familiar contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial. A violência física é considerada como qualquer conduta que seja ofensiva à integridade ou saúde corporal da mulher. Já a violência psicológica, é aquela que causa dano emocional e que prejudica o desenvolvimento da mulher. Nela, o agressor tenta controlar ou rebaixar as suas ações, seus comportamento e suas decisões.

A violência moral é aquela que configura calúnia, difamação ou injúria. A violência sexual é qualquer conduta que constranja a mulher, forçando-a a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada. Isso é feito por intimidação, ameaça, coação ou uso da força.

Já a violência patrimonial é aquela em que o agressor retém, subtrai ou destrói, mesmo que parcialmente, objetos da mulher.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Últimas notícias

Na cidade de Goiás, Caiado entrega revitalização do Palácio da Instrução e destaca resgate histórico

Governador Ronaldo Caiado inaugura nova sede da Emater, em Goiânia

Governo segue pagando diferenças salariais da Educação devidas desde os anos 1990

Na cidade de Goiás, Caiado faz vistorias e participa de evento da Educação sobre volta às aulas