sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Aumenta o abate de frangos e bovinos no primeiro trimestre de 2021 em Goiás

No primeiro trimestre de 2021, o estado de Goiás registrou crescimento no número de abates de frangos e bovinos.

Em relação ao abate de bovinos, o Estado responde por 9,8% do total de cabeças abatidas no País e passa da 5ª posição, em 2020, para a 4ª posição em 2021, ultrapassando o Estado de Minas Gerais (Foto: Wenderson Araujo/CNA)

No primeiro trimestre de 2021, o estado de Goiás registrou crescimento no número de abates de frangos e bovinos. Neste período, houve abate de mais de 115,6 milhões de frangos, aumento de 16,6% em relação ao mesmo trimestre de 2020. No caso de bovinos, foram mais de 642,4 mil cabeças de bovinos abatidas, número 4,1% maior que o do primeiro trimestre de 2020. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, (08/06), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e integram a Publicação Estatística da Produção Pecuária – Trimestrais Agro.

De acordo com o material, Goiás alcançou patamar recorde no abate de frangos para o primeiro trimestre, desde o início da série história iniciada em 1997. Já no abate de bovinos, o Estado respondeu por 9,8% do total de cabeças abatidas no País e passou da 5ª posição, em 2020, para a 4ª posição em 2021, ultrapassando o estado de Minas Gerais.

Leite e ovos
Nos três primeiros meses de 2021, Goiás alcançou 690,3 milhões de litros de leite cru industrializado, produção 4,3% maior do que a ocorrida no mesmo trimestre de 2020. Esse resultado foi o maior para o primeiro trimestre da série histórica iniciada em 1997. No caso da aquisição de leite cru, o Estado registrou avanço de 4,2% na comparação entre os primeiros trimestres de 2021 e 2020 – 690,6 milhões de litros e 662,5 milhões, respectivamente.

Já a produção de ovos de galinha, no Estado, alcançou 52,32 milhões de dúzias no primeiro trimestre de 2021, crescimento de 0,3% se comparado ao mesmo período de 2020. Com esse resultado, Goiás se firma como o segundo maior produtor de ovos de galinha do Centro-Oeste, atrás apenas de Mato Grosso. Já nacionalmente, o Estado ocupa a 9ª posição no ranking.

De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, esse resultado alcançado de janeiro a março deste ano se deve ao aumento das demandas internas e externas. “É um setor que manteve e ampliou suas atividades para abastecer o mercado doméstico, assim como além das fronteiras do País.

O crescimento da pecuária goiana traz impactos positivos não só dentro da porteira, por meio de mais empregos e renda no campo, mas também nos municípios, estimulando a economia e fortalecendo outras áreas, como indústria e comércio. O trabalho tem sido feito exatamente para estimular e desenvolver o segmento pecuário no Estado, para que isso retorne em melhorias para a população goiana”, enfatiza.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Publicações em Alta

Olimpíada de Tóquio: COB apresenta uniformes oficiais do Time Brasil

UEG publica edital de concurso para contratação de 94 professores

Clima impacta segunda safra em Goiás

Caldas Novas adia Carnaval fora de época para maio