sexta-feira, 12 de abril de 2024

sexta-feira, 12 de abril de 2024

Saúde reforça combate à dengue e alerta para ameaça de epidemia em Goiás

Centro-Oeste pode ter explosão de casos.

(FOTO: GOVERNO DE GOIÁS)
Depois do alerta da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) sobre o risco de uma explosão de casos de dengue na região Centro-Oeste, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) anunciou, neste domingo (26/11), que vai reforçar o combate à doença nos próximos meses, encabeçando ações conjuntas entre a população e o poder público.
O risco maior é para a dengue tipo 3. A linhagem, que ressurgiu no Brasil em 2023, após 15 anos sem surtos ou epidemias, tem casos confirmados em São Paulo e Roraima. No estado amazônico, especialistas do MS alertaram que o sorotipo 3 já é predominante.

“A dengue possui quatro sorotipos. Quando uma pessoa é infectada por um deles, automaticamente adquire imunidade para aquele tipo específico. Mas isso não impede que ela se infecte com outra linhagem, e essa reinfecção pode contribuir para um agravamento. Por isso, o alerta do ministério gera tanta preocupação”, explica a superintendente de Vigilância em Saúde da SES-GO, Flúvia Amorim.

Desde 2021, a maioria dos casos de dengue em Goiás é do sorotipo 1. Em 2023, representam 95% dos registros. O Brasil tem duas vacinas contra a doença liberadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Uma não foi incorporada ao Programa Nacional de Imunizações por questões técnicas e a outra está em análise pelo Ministério da Saúde. “Então, até que a vacina seja liberada e incorporada, a única forma que a gente tem de controlar a doença é controlando o Aedes aegypti. E controlar o mosquito significa evitar criadouros em casa, evitar que ele nasça”, pontua a superintendente.
Em Goiás, diversas ações vêm sendo adotadas pela SES para mitigar os riscos de aumento de casos de dengue. Entre elas, estão uma campanha publicitária de conscientização, em todas as plataformas (TV, rádio e internet), sobre a necessidade de participação popular no combate ao vetor da doença. A pasta também realiza capacitações com os profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) sobre o manejo clínico adequado e a devida condução dos casos de dengue, para evitar o agravamento do quadro e a possibilidade de evolução para óbito.
Sequenciamento genético
O Laboratório Central de Saúde Pública Dr. Giovanni Cysneiros (Lacen-GO) realiza, ao longo de 2023, o sequenciamento genético para dengue e chikungunya para entender qual sorotipo circula no estado e preparar as equipes de saúde para as ações necessárias. “Desses quatro sorotipos, existem ainda subtipos dentro deles. Alguns causam formas graves em crianças, outros, mais em adultos. Então esse sequenciamento é importante para a gente saber como precisamos atuar na prevenção ou mesmo no tratamento”, reforça Flúvia Amorim.
Segundo o diretor-geral do Lacen-GO, Vinícius Lemes da Silva, a previsão é realizar novos sequenciamentos genéticos a partir de janeiro de 2024, com a chegada de insumos pelo MS e novas aquisições pela SES.
FONTE: A REDAÇÃO (www.aredacao.com.br)

Publicações em Alta

PIB de Goiás cresce 4,4% em 2023 e fica acima da média nacional

Polícia Civil prende autor de homicídio e dupla tentativa de homicídio em Caldas Novas

Goiás libera vacina para toda a população no ‘Dia D’ contra influenza

Prefeitura e Câmara entregam mais de 13 mil kits escolares e pedagógicos para a Educação Municipal