No Banner to display

domingo, 19 de maio de 2024

domingo, 19 de maio de 2024

No Banner to display

Hospital de Formosa realiza segunda captação de órgãos para transplantes

O Hospital Estadual de Formosa Dr. César Saad Fayad (HEF), unidade do Governo de Goiás, realizou sua segunda captação de órgãos nesta sexta-feira (28/04).

Segunda captação de órgãos no Hospital Estadual de Formosa beneficia pacientes de Goiás e do Rio de Janeiro (Foto: Talita Guimarães)

A ação teve o apoio do Serviço Aéreo do Estado de Goiás (Saeg) e Força Aérea Brasileira (FAB). Fígado, rins e as córneas captados foram doados por uma paciente de 45 anos. Ela teve morte encefálica após um acidente vascular cerebral (AVC).

A gerente de Transplantes da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Katiuscia Freitas, reforça a importância das equipes hospitalares estarem envolvidas e preparadas para esse processo.

“Essa doação garante que pessoas na fila de espera possam ser atendidas com a realização do transplante. Estamos capacitando profissionais nos hospitais para que estejam aptos para a abordagem nestes momentos”, garante.

Pacientes de Goiás vão receber os rins e córneas e o fígado para paciente do Rio de Janeiro.

ASSISTÊNCIA E ACOLHIMENTO

A equipe médica do HEF prestou toda assistência, realizando exames clínicos por médicos capacitados e o eletroencefalograma, chegando ao diagnóstico de morte encefálica. “A equipe da UTI do Hospital Estadual de Formosa segue as principais recomendações técnicas e de acolhimento familiar publicadas no Brasil e no mundo. Isso proporcionou a segunda captação na unidade”, afirma o diretor técnico do HEF, Dr. Alexandre Amaral.

O processo de captação de órgão se inicia na identificação e manutenção do potencial doador após o diagnóstico de morte encefálica e entrevista familiar. Entretanto, o acolhimento da família é fundamental para uma afirmação positiva de doação. “Acolher uma família no momento da dor da perda e resultar no aceite é um processo delicado e exige muita ação da nossa equipe, que está preparada e capacitada para esse momento” afirma o coordenador médico da UTI, Dr. Oliver Vilanova.

A coordenadora de enfermagem da UTI, Bruna Queiroz, responsável pelo processo de doação, ressalta a importância de comunicar a família sobre o desejo da doação de órgãos. “Hoje mais de 53 mil pessoas aguardam na fila de transplantes, e uma conversa pode mudar a vida de alguém que espera. Comunique seu desejo e decisão de ser doador, pois doação só acontece após a autorização familiar”, pontua a coordenadora.

Para a diretora administrativa da unidade, Ana Brito, esse é mais um marco para Formosa e região. Toda operação envolveu duas equipes externas com oito pessoas. “Nosso hospital é 100% SUS e a importância é macro. Ressalto a sensibilidade da família em autorizar a doação, o acolhimento é fundamental para uma afirmação positiva de doação”, reitera a gestora.

Publicações em Alta

PIB de Goiás cresce 4,4% em 2023 e fica acima da média nacional

Polícia Civil prende autor de homicídio e dupla tentativa de homicídio em Caldas Novas

Vereador Everton Jamal leva projeto “Gabinete Itinerante” aos bairros de Caldas Novas

Equatorial Goiás troca 200 chuveiros em Morrinhos