No Banner to display

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Estudo avalia transmissão secundária do Sars-CoV-2 em crianças e adolescentes

Os pesquisadores observaram que uma em cada quatro crianças e adolescentes foram positivas para o Sars-CoV-2.

O projeto, que se encontra atualmente em seu formato itinerante, já realizou mais de 7 mil testes moleculares no seu público-alvo. Inicialmente planejado para atender adultos, o projeto passou a incluir crianças e adolescentes contactantes dos casos positivos em parceria com o Departamento de Pediatria da UFG

O estudo intitulado “Secondary household transmission of Sars-CoV-2 among children and adolescents: Clinical and epidemiological aspects” produzido pela Universidade Federal de Goiás (UFG) avaliou entre os meses de março e outubro de 2020 a taxa de ataque secundário em 267 crianças e adolescentes de 5 a 19 anos contactantes domiciliares de trabalhadores de atividades essenciais infectados pelo Sars-CoV-2, descrevendo dados clínicos e epidemiológicos associados.

Os pesquisadores observaram que uma em cada quatro crianças e adolescentes foram positivas para o Sars-CoV-2. Os sinais e sintomas clínicos que foram preditores da covid-19 na amostra foram febre, congestão nasal, diminuição do apetite, náusea, diminuição do paladar e do olfato. Verificou-se ainda que famílias que possuíam mais de um adulto infectado no domicílio, apresentaram maior transmissibilidade do Sars-CoV-2 para crianças e adolescentes.

tendinha

Os resultados contribuem para a hipótese de que, durante um período de distanciamento social e fechamento de escolas, crianças e adolescentes não foram fontes importantes de transmissão da Sars-CoV-2 no ambiente domiciliar; embora sejam suscetíveis à infecção no domicílio por meio do contato com adultos infectados.

O estudo faz parte do projeto Tenda Triagem Covid-19 da Faculdade de Enfermagem da UFG que apresenta o objetivo geral de realizar a triagem, diagnóstico e acompanhamento de trabalhadores de atividades essenciais, como profissionais de saúde e segurança pública, com sintomas da covid-19. O projeto, que se encontra atualmente em seu formato itinerante, já realizou mais de 7 mil testes moleculares no seu público-alvo. Inicialmente planejado para atender adultos, o projeto passou a incluir crianças e adolescentes contactantes dos casos positivos em parceria com o Departamento de Pediatria da UFG.

Estudos na população infantil

O aumento do número de casos de adoecimento entre trabalhadores de atividades essenciais, como as da área da saúde, tem sido um dos aspectos relevantes na epidemiologia da covid-19 e evidencia o risco ocupacional de infecção pelo Sars-CoV-2. A preocupação com a ocorrência de transmissão secundária desses profissionais para outras pessoas da comunidade, incluindo seus núcleos familiares, passou a ser objeto de estudo em diferentes locais durante a pandemia.

Outros estudos relataram resultados similares, mas ainda são poucos no mundo. Em Wuhan, o primeiro epicentro de covid-19 no mundo, crianças e adolescentes de 6 a 19 anos eram suscetíveis à infecção pelo Sars-CoV-2 em suas casas, na presença de um caso primário; com taxa de ataque secundário de 10,8% para o período avaliado (Lancet Infect Disease, 2021). Um estudo em Cingapura relatou transmissão secundária do Sars-CoV-2 de um adulto para uma criança de contato domiciliar em 5,2% das famílias avaliadas (J.Pediatr., 2020). No Brasil, estudo multicêntrico constatou que 39% das 79 crianças internadas em unidade de terapia intensiva (UTI) por causa da covid-19 tiveram contato com casos suspeitos, sendo 87% dos casos procedentes do ambiente domiciliar (J.Pediatr., 2020).

O estudo publicado poderá contribuir para políticas públicas e adoção de medidas de prevenção da infecção pelo Sars-CoV-2 em crianças e adolescentes no Brasil.

Projeto Tenda

Publicação

O estudo foi publicado no dia 12 de outubro na revista Pediatric Pulmonology, uma das mais prestigiadas publicações científicas do mundo na área da pediatria. O trabalho liderado pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás, também envolveu diversas outras unidades: Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP) e Instituto de Ciências Biológicas (ICB). A Faculdade de Farmácia e o Hospital das Clínicas (HC)/Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) também colaboraram no projeto.

O texto é assinado pela professora Claci F.W. Rosso, diretora da FEN/UFG e coordenadora do projeto de extensão e pelo professor Rafael A. Guimarães, coordenador científico e da pesquisa. Também é assinado pelos pesquisadores Eliane T. Afonso, Solomar M. Marques, Lusmaia D. C. Costa, Patrícia M. Fortes, Fernanda Peixoto, Danielli C. Bichuetti-Silva, Natália D.A. Aredes, Faétila dos S. Oliveira, Fabíola S. Fiaccadori, Menira B. de L.D. e Souza, Elisângela de P. Silveira-Lacerda, Gabriela S. Bazilio, Clayton L. Borges, Juliana A.P. Rocha, Alessandra V. Naghettini e Paulo S.S. da Costa.

Para acessar o estudo completo basta acessar o link

Informações para a imprensa

Secretaria de Comunicação da Universidade Federal de Goiás (Secom UFG)

E-mail: [email protected]

Site: https://secom.ufg.br/

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Publicações em Alta

Goiana disputa vaga para as Olimpíadas Internacionais de Química

Jogos Abertos classificam mais equipes para fase regional

Atividades presenciais na Alego foram retomadas nessa 2ª-feira, 2, das 7 às 19 horas, podendo atingir até 50% do efetivo

Saúde faz acolhimento de novos profissionais do Programa Mais Médicos