No Banner to display

domingo, 17 de outubro de 2021

domingo, 17 de outubro de 2021

Tesouro Nacional destaca contas de Goiás

No Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais, do Tesouro Nacional, tomando por base o ano de 2000, que foi publicado este mês, é mostrado que Goiás foi o Estado que teve maior redução real das despesas primárias em 2020 em relação a 2019.

Goiás teve a maior redução da despesa bruta com pessoal do País, no ano passado, de - 10,3%, segundo as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal (Foto: divulgação)

No Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais, do Tesouro Nacional, tomando por base o ano de 2000, que foi publicado este mês, é mostrado que Goiás foi o Estado que teve maior redução real das despesas primárias em 2020 em relação a 2019 (-2,5%). Essa redução foi explicada pelo decréscimo real das despesas de pessoal (-7,9%), o qual foi em parte compensado pelo crescimento de outras despesas correntes (+4,8%).

Outro aspecto destacado pelo órgão do Ministério da Economia, Goiás teve a maior redução da despesa bruta com pessoal do País, no ano passado, de – 10,3%, segundo as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Apesar dos destaques positivos, o boletim evidência a condição de fragilidade que o Estado de Goiás ainda se encontra, uma vez que encerrou o ano de 2020 com as contas no vermelho. A disponibilidade de caixa líquida total foi negativa, totalizando R$ -1,57 bilhão. Se considerado apenas a disponibilidade de caixa de recursos não vinculados o resultado é ainda pior, R$ -2,93 bilhões, a quinta pior do Brasil (melhor apenas que os estados do RS, AP, MG e RN).

Destaca-se, neste interim, que esse resultado é influenciado pela suspensão do pagamento das dívidas (que acaba sendo inserido como restos a pagar) e os impactos da pandemia do coronavírus. Os dados do boletim mostram que sem as transferências da LC 173/2020 a disponibilidade de caixa de recursos não vinculados, teria sido ainda mais negativa. Em 2020 o estado recebeu R$ 1,94 bilhão em repasses da União para o enfrentamento da pandemia.

Além disso, os dados mostram que enquanto a maioria dos estados teve uma variação real positiva das receitas primárias, o estado de Goiás apresentou uma variação negativa de -2,2%, comparada com 2019, a pior entre todos os estados brasileiros. O resultado foi influenciado por uma queda de 7,7% nas receitas de arrecadação própria que foram compensadas, em parte, pelo aumento de 24,4% nas receitas de transferências. Além de Goiás, apenas os estados do RJ, SP e ES também apresentaram variação negativa nas receitas primárias.

Os números mostram que Goiás tem a terceira maior renúncia de receita do País, equivalente à 31,4% do ICMS arrecadado. Esse número está acima da taxa de renúncia média do Brasil, que ficou em 18,2%, em 2020. Goiás perde apenas para os estados do Amazonas, primeiro do ranking devido aos benefícios concedidos à Zona Franca de Manaus e para o Paraná que, em 2020, concedeu benefício na ordem de 31,6% do ICMS arrecadado.

Outro dado que destacou positivamente Goiás consta do quadro de outras despesas correntes no qual foi registrada um aumento de 11,6% (+R$ 392 milhões) para a saúde, devido gastos com a pandemia e a vinculação constitucional, aumento de 3,8% (+R$ 38 milhões para a educação, com a vinculação constitucional, aumento na assistência social de 10% (+ R$ 15 milhões) por causa da pandemia. Outro aumento relevante está no transporte, com aumento de 91% (+ R$ 173 milhões) na recuperação de rodovias estaduais. Os números são de e 2020 em relação a 2019.

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Publicações em Alta

Caiado anuncia isenção da contribuição previdenciária de aposentados e pensionistas com salário de até R$ 3 mil e redução da cobrança para os que recebem acima desse valor

Expresso Balcão capacita servidores de 12 municípios

Polícia Penal registra aumento de apreensões de K4, conhecida como supermaconha

Operação integrada apreende 200 kg de cloridrato de cocaína