No Banner to display

domingo, 14 de agosto de 2022

domingo, 14 de agosto de 2022

No Banner to display

Operação Fogo Amigo: Economia estima desvio de R$ 2 milhões em ICMS

A Secretaria da Economia de Goiás participou da Operação Fogo Amigo, deflagrada nesta quinta-feira, dia 24, pela Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar-PC).

Na parte dos produtos roubados, a Decar recuperou cerca de R$ 20 milhões em cargas de aços e ferragens e um empresário foi preso em flagrante

A Secretaria da Economia de Goiás participou da Operação Fogo Amigo,  deflagrada nesta quinta-feira, dia 24, pela Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas  (Decar-PC). A ação apura a suspeita de receptação de aço e ferragens por um grupo empresarial com unidades em Goiânia e Aparecida de Goiânia, além de sonegação de impostos. Auditores Fiscais e Técnicos Fazendários da Secretaria da Economia, com apoio do Batalhão Fazendário Militar (BPMFAZ), participaram da operação.

A investigação da Decar, que durou seis meses, foi iniciada a partir do aumento de roubo de cargas de aço advindas do Maranhão, Minas Gerais e Pará. A partir da apuração, eles detectaram que um empresa em Goiânia – do ramo de venda de ferragens – estaria envolvida com a receptação. Uma das unidades dessa empresa, em Aparecida de Goiânia, funcionava como depósito. A participação da Secretaria da Economia foi fundamental para atestar a ilegitimidade das transações fiscais.

De acordo com o supervisor da Delegacia de Fiscalização de Goiânia (DRF), Adalberto Constantino, o banco de dados das empresas  foi apreendido e será auditado. “Pela análise prévia dos balanços e informações contábeis, estimamos sonegação de pelo menos R$2 milhões de ICMS em um ano”, adiantou o supervisor. Durante a operação, os auditores detectaram um descarregamento de treliças e arame sem nota fiscal. O empresário foi imediatamente autuado em R$ 300 mil reais. Da Secretaria da Economia, participaram sete auditores fiscais e dois técnicos fazendários, além do efetivo do BPMFAZ.

Na parte dos produtos roubados, a Decar recuperou cerca de R$ 20 milhões  em cargas de aços e ferragens e  um empresário foi preso em flagrante. A investigação indica que os produtos seriam fruto de receptação, que envolvia um intrincado esquema entre empresários, receptadores e motoristas.

Entenda a investigação:

Segundo investigações da Decar, a organização criminosa utilizava um aplicativo de frete e outras plataformas para a realização de negócios jurídicos envolvendo o transporte de ferro e aço. Os motoristas, ligados ao grupo criminoso, após o carregamento desviavam a rota estabelecida e entregavam o produto a receptadores já determinados. Dentre eles, empresários do ramo de compra e venda preso na operação.

Além das mercadorias suspeitas de receptação, foram apreendidos veículos de luxo e banco de dados fiscais. A PC também entrou em contato com várias vítimas para devolução dos produtos roubados. O empresário foi detido em flagrante e cerca de 15  motoristas foram identificados. Segundo informações da PC, os pedidos de prisão estão em andamento.

 

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Publicações em Alta

Em Porangatu, Caiado anuncia ampliação do Projeto da Cerveja de Mandioca e pequenos agricultores do município podem vender produção para Ambev

Operação Fogo Amigo: Economia estima desvio de R$ 2 milhões em ICMS

Caiado anuncia que GO-118, em Alto Paraíso, deve ser liberada parcialmente até sexta-feira (07/01)

Em três anos, Governo de Goiás reduz em 94% o número de foragidos no sistema penitenciário